Wednesday, February 13, 2013

«O murchar das palmeiras»

In Publico Online (6/2/2013)
Por Helena Freitas

«Controlar e assegurar a sanidade dos materiais de propagação e monitorizar e erradicar as doenças não é possível sem recursos técnicos adequados.

Recordo estas duas situações de calamidade associadas à mortalidade de espécies vegetais, sendo uma espécie de interesse ornamental e uma espécie florestal com forte impacto económico, mas podia citar muitas outras, em particular as doenças que nunca deixam de ameaçar sectores vitais da nossa economia, como a fruticultura nacional ou mesmo o importante sector do vinho.

Ao fazê-lo, tenho dois propósitos: por um lado, manifestar a preocupação que tenho com a perda de recursos e competências do Estado para monitorizar e resolver situações fitossanitárias que são cada vez mais complexas, entre outras coisas, porque as causas também o são, e, por outro, chamar a atenção para a necessidade de pensar os ecossistemas e as espécies seleccionadas em meio urbano, não apenas pela sua expressão estética ou por conveniência de momento, mas também na perspectiva de se evitarem espécies mais susceptíveis às pragas, o que acontecerá mais facilmente quando a escolha se sustenta numa importação pouco cuidadosa de espécies exóticas, tantas vezes desadequadas aos espaços que as acolhem.»

Chegado pela mão da Liga dos Amigos do Jardim Botânico

Monday, February 11, 2013

E se a CMC tomasse posse administrativa desta?


Escusado será dizer que fica sobranceira à Praia da Azarujinha, lembra Hitchock e é uma vergonha como para ali está, já sem telhas em muitos pontos do telhado, com vidros partidos, pombos, etc. A CMC podia fazer deste um caso exemplar!!

Friday, February 08, 2013

Paredão

Estão em curso reparações no paredão para substituir algumas lages corroidas pela água salgada. Felizmente houve o bom senso de substituir aquele azulino de Cascais por outra pedra, que me parece calcáreo, capaz de aguentar a acção corrosiva da água do mar. O pavimento ficará pintalgado por lages brancas, mas se continuarem com a obra e forem substituindo as que se gastam, daqui a umas dezenas de anos teremos um pavimento uniforme na cor e no piso.

Monday, February 04, 2013

Fica o memento!


O que era e o que é . Mais valia terem deixado a bomba. E a promessa de demolição do esqueleto do mono, por cumprir. Até quando?

Foto: grupo Facebook "O Pessoal da Linha Vem à Rede"