Wednesday, August 22, 2018

Deviam ter vergonha!


Uma casa que era das escassas ainda do tempo em que Cascais era Cascais. A casa estava no inventário municipal antes da versão actual do PDM, saiu pelos vistos já com esta preparada. E a casa não estava, definitivamente, a cair. Deviam ter vergonha na CM Cascais!

2ª e 3ª fotos de Pedro Jordão

Friday, June 22, 2018

Situação trágica no município de Cascais no que concerne à pedonalidade


Chegado por e-mail:

«Ex.mos. Srs. da Câmara Municipal de Cascais


Como organização cívica não governamental na defesa dos peões e da pedonalidade, temos recebido variadíssimas queixas de munícipes de Cascais, alertando para o verdadeiro caos que se passa diariamente na freguesia da Parede (mais precisamente União das Freguesias de Carcavelos e Parede), no concelho de Cascais.

É verdadeiramente vergonhoso e uma falta de respeito pelo erário público, que a autarquia tenha enveredado por obras, que putativamente serviriam para melhorar a qualidade e segurança do espaço público, mas que na prática, mais não serviram, para providenciar estacionamento automóvel com piso melhorado em zonas exclusivamente pedonais.

Ademais, ao colocar uma "via" pedonal protegida por pilaretes (vede foto seguinte), a autarquia está a consumar de facto, e não apenas de jure, a ilegalidade ao abrigo do artigo 49.º do Código da Estrada. Ponderaremos, portanto, endereçar uma queixa oficial ao Provedor de Justiça. Ou seja, a CMC usou dinheiros públicos para requalificar a zona e colocar pilaretes, mas propositadamente, colocou os pilares de forma a não representarem um obstáculo para os automóveis, o que representa:

a) um desperdício de dinheiros públicos;
b) obstáculos inúteis para invisuais e amblíopes
c) um incentivo público à ilegalidade, mormente alínea f) do n.º 1 do art.º 49.º do Código da Estrada.

Endereçaremos esta missiva à comunicação social e ao provedor de Justiça.

Alertamos também a Polícia Municipal de Cascais para a total inépcia e desrespeito pelos munícipes e pela Lei. Dura Lex sed Lex!

Atentamente

Passeio Livre»

Novo bar do Muchaxo - resposta da APA:


Exmos. Senhores


Sobre o assunto referenciado em epígrafe, informa-se Vexa., que a construção em causa encontra-se prevista no Plano de Praia da Praia do Guincho que integra o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Sintra / Sado , com a tipologia de equipamento com função de apoio de praia e apoio recreativo (E/A/AR), em construção pesada, tendo sido o seu projeto de arquitetura aprovado pelas entidades competentes para o efeito, designadamente este Instituto, a Capitania do Porto de Cascais, a Câmara Municipal de Cascais, o PNSC/ICNF e a ACES de Cascais/Unidade de Saúde Pública.

A agitação marítima, o perfil da praia, muito influenciado pela dinâmica dos sedimentos e a necessidade de desenvolver projeto de requalificação e consolidação do sistema dunar comprometem uma localização alternativa à instalação do apoio de praia. O projeto de arquitetura em apreço mantém, assim, a localização do apoio de praia anteriormente existente.

O projeto assegura uma cércea do edifício que permite a fruição da paisagem a partir do nível do estacionamento, e que não afeta o plano de vistas a partir da praia. Consegue-se alguma descontinuidade do edificado, através da construção de dois corpos separados pelas áreas de acesso/circulação.

A solução pela construção pesada visa prevenir a degradação do edifício, atenta a forte exposição, singular neste troço de costa, aos ventos e à maresia. Não obstante tratar-se de uma construção pesada, está prevista a utilização de elementos em madeira, designadamente nas pérgulas de proteção das escadas e na esplanada, bem como em áreas da fachada, concorrendo para a sua integração na paisagem.

A praia do Guincho enquadra-se na tipologia de praia periurbana, sendo assim uma praia afastada de núcleos urbanos mas sujeita a forte procura, designada como praia balnear, sendo simultaneamente procurada para a prática dos desportos de deslize, e apresenta níveis de fruição significativos. Neste contexto, o projeto assegura, para além da área afeta à restauração, as áreas destinadas ao apoio recreativo e as áreas necessárias ao desempenho dos serviços de utilidade pública, designadamente:

· Vigilância e assistência a banhistas;
· Comunicações de emergência;
· Informação a banhistas;
· Recolha de lixo/limpeza do areal;
· Posto de primeiros socorros;
· Balneários/vestiários;
· Instalações sanitárias;
· Duches exteriores,

O projeto garante o acesso, do areal ao parque de estacionamento, situado no tardoz da Estalagem do Muchaxo, por escadas e rampas, estas acessíveis a utentes com mobilidade reduzida.

Com os melhores cumprimentos,

Thursday, May 17, 2018

Construção do novo bar do Muchaxo em plena rocha do Guincho / Pedido de esclarecimentos à APA e ao PNSC


Exma. Sra. Directora de Serviços da Área de Lisboa e Vale do Tejo
Dra. Maria de Jesus Fernandes,
Exmo. Sr. Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente
Dr. Nuno Lacasta


C.c. CMC, AMC, IGAMAOT e media


Perplexos e surpreendidos com a construção da estrutura do bar de apoio (Muchaxo)​​ à Praia do Guincho (ver imagem, foto de Paulo Mateus);

Considerando que a mesma só é possível ao abrigo da necessária autorização e licenciamento do Parque Natural de Sintra-Cascais e da Agência Portuguesa do Ambiente, e que a referida estrutura além de ser uma forte agressão à paisagem do local, foi construída perfurando as pré-existências rochosas da Praia do Guincho;

Solicitamos que V. Exas. nos informem das licenças emitidas e dos seus fundamentos e requisitos.

Com os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Júlio Amorim, Maria João Pinto, Fátima Castanheira, Pedro Jordão

Foi tb apresentada queixa à PGR/MP Tribunal de Sintra

Thursday, April 26, 2018

Entre euforias e oportunismos, lá reabriu ao público o Forte de Santo António da Barra


Entre euforias e oportunismos, lá reabriu ao público o Forte de Santo António da Barra ... e neste particular fica uma merecida nota de agradecimento à CMC e ao actual Ministério da Defesa, que foram empurrados a desatar o imbróglio que durava há anos, pela juíza que tão bem ajuizou a 1ª parte (providência cautelar) da acção legal interposta pela Associação Cultural de Cascais, a Associação das Casas Antigas, a Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos e o Gecorpa - não tivesse havido essa acção e nada disto teria ocorrido, como é evidente, pelo que é, no mínimo, uma má criação da CMC não ter dado a mão à palmatória, convidando as 4 associações a estarem presentes nesta "inauguração". Mas o pior ainda poderá estar para vir, como é mais do que óbvio, pois não só o protocolo entre a CMC e o MD prevê expressamente a “rentabilização” do imóvel (não impondo limites específicos), como já se fala em 5 milhões de euros, como é bem possível uma "solução final" tipo hotel da Cidadela, por ex. Vamos com calma ;-)
(foto de Hardmúsica)

Friday, March 16, 2018

Monday, February 12, 2018

Enquanto isso, no Monte Estoril, continua a cavalgada em direcção à "Damaia Deluxe"


Agora é no Largo Ostende (alerta de Mª José Ravara), é assim e vai ficar assado, mas ... who cares?

Thursday, January 25, 2018

Acção popular pelo Forte de Santo António da Barra

Informa-se que deu ontem entrada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra uma acção popular referente ao Forte de Santo António da Barra, em S. João do Estoril, Cascais.

Esta acção integra-se na estratégia que está a ser posta em prática pelo Fórum do Património 2017 (http://www.forumdopatrimonio.pt/), e é subscrita pelas seguintes associações: APAC (Castelos), APCA (Casas Antigas), ACC (Cascais) e GECoRPA (Grémio do Património).

Monday, January 22, 2018

Há ignorantes também na Parede ...


Chegado por e-mail, via Plataforma em Defesa das Árvores:

«Boa tarde,


Resido na freguesia da Parede, concelho de Cascais e soube pela vizinhança que num prédio da minha rua conseguiram a autorização da Câmara Municipal de Cascais para o abate de uma árvore centenária. Ao que consta a maioria dos moradores deste prédio já tinha feito este pedido por vários mandatos tendo sido autorizado agora...
O prédio tem três árvores (araucária heterophylla) no jardim que o rodeia e quando foi construído elas já existíam tendo o mesmo sido construído (e bem) "contornando" as àrvores existentes.
A maior das 3 é por sua vez, a maior àrvore desta espécie da área da Parede ou até da área de Cascais (é enormemente linda!). Dizem ter mais de 100 anos! Querem matá-la pois "tira alguma luz à sala"...
Peço a V/ ajuda de forma a travarmos esta situação por favor.

Envio o link do google maps para verem do que falo:

https://www.google.pt/maps/@38.6895803,-9.3601132,3a,75y,292.67h,111.41t/data=!3m7!1e1!3m5!1sHozKVQc-5dwV74Zs4Q4KaQ!2e0!6s%2F%2Fgeo1.ggpht.com%2Fcbk%3Fpanoid%3DHozKVQc-5dwV74Zs4Q4KaQ%26output%3Dthumbnail%26cb_client%3Dmaps_sv.tactile.gps%26thumb%3D2%26w%3D203%26h%3D100%26yaw%3D156.24034%26pitch%3D0%26thumbfov%3D100!7i13312!8i6656?hl=pt-PT

Susana Condesso»

Wednesday, January 03, 2018

Amanhã, o Bussaco no Estoril:

Ou como lá se faz por salvaguardar uma época que se foi e por cá se teima em destruir essa mesma época.

Thursday, November 09, 2017

E o Casal de Monserrate?


Enquanto isso, ainda, alguém sabe em que pé está a trapalhada no Casal de Monserrate (Estoril)? Fica SCML, não fica, vai para a CMC, não vai. É uma casa-jardim fantástica, de Interesse Público, exterior e interior e recheio. Devemo-la a Porfírio Pardal Monteiro, a Cristino e a Leopoldo de Almeida e dava uma casa-museu Déco-Modernista magnífica!

Fotos de Mário Novais, in Biblioteca de Arte / Fundação Calouste Gulbenkian

Tuesday, November 07, 2017

Bem-vindos ao admirável mundo novo! #2


Ou uma ou outra destas maravilhas, ou uma 3ª via, quem sabe, cujas imagens remetem para 2011 e 2014, retiradas da Net, será o novo hotel Paris. Um hino à modernidade, portanto, e o reconhecimento público pela obra, ainda que já adulterada q.b, pelo legado de Norte Júnior em prol dos Estoris, que já foram.

Monday, November 06, 2017

Bem-vindos ao admirável mundo novo! #1


Desta vez é o "novo Nau", via Guive Chafait, in Também És Cascais (Facebook).

Thursday, September 14, 2017

«Hotel Paris vai abaixo dia 01.11 e passará a ser Sana Evolution,reabre em 2019 : o que acham desta..."evolução" ??»


Pergunta Horácio Sá Viana Rebelo, no grupo Também És Cascais do Facebook. Bom, respondo-lhe que é uma evolução no sentido da consumada parolização "à la Quarteira" de toda a Linha, em especial o Estoril, claro. Se queriam evoluir deviam deitar abaixo e voltar ao projecto de Norte Júnior. Mas isso era com gente de gosto à frente da CMC.

Tuesday, September 05, 2017

Enquanto isso, em Carcavelos, adeuzinho ao antigo Vitória Cine


Ah, não era este que tinha aprovado em Orçamento Participativo, a requalificação da cobertura e da fachada (OP2014) e a recuperação do interior (OP2015)?? Ah, pois, que grande laracha que é essa coisa de orçamento participativo de Cascais!
(foto do Fórum Carcavelos, in facebook)

Lá vem betão!


Enquanto isso, depois de altas engenhocas e trocas e baldrocas... está prestes a nascer uma "coisinha boa" neste terreno , de esquina da Av. Saboia com o a Av. do Lago... prédio de quantos andares? Apostas, aceitam-se!

Friday, August 25, 2017

NÃO QUEREMOS A DEMOLIÇÃO DAS COCHEIRAS DO MONTE ESTORIL!

Assine e divulgue:

NÃO QUEREMOS A DEMOLIÇÃO DAS COCHEIRAS DA COMPANHIA DO MONTE ESTORIL (AV. ACÁCIAS/AV. SABÓIA)!

As cocheiras da Avenida das Acácias (com entrada também pela Avenida Sabóia), no Monte Estoril, podem não estar classificadas de interesse municipal (e deviam está-lo) nem público ou nacional, por não serem relevantes do ponto de vista arquitetónico, mas são-no enquanto património histórico do concelho de Cascais por datarem (uma raridade) da fundação da Companhia do Monte Estoril, a qual, relembre-se os esquecidos, é a razão de haver … Monte Estoril.

Por isso as cocheiras do Monte Estoril constavam do Inventário Municipal do Plano Diretor Municipal de Cascais (PDM).

Contudo, a Câmara Municipal de Cascais (CMC) resolveu eliminá-las do PDM, aquando da última revisão.

As cocheiras do Monte Estoril localizam-se em plena Zona Especial de Proteção da “Casa Silva Gomes”, sita na Avenida das Acácias, nº 24 e classificada Monumento de Interesse Público (Portaria n.º 740-CV/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012)

Recentemente, contudo, a CMC aprovou um projeto de demolição integral das cocheiras, para construção nova de habitação.

Protestamos contra a decisão da CMC, feita sem nenhuma auscultação da população do Monte Estoril ou do concelho de Cascais!

Não queremos a demolição das cocheiras das Avenidas das Acácias e Sabóia!

Queremos que a CMC garanta a salvaguarda destas cocheiras, não permitindo a sua destruição e aprovando única e exclusivamente projetos que visem a sua reabilitação e exploração com uso compatível.

Thursday, August 24, 2017

Adeus às cocheiras do Monte Estoril (Av. Acácias/ Av. Sabóia)


Bom, o que se temia em 2015 verifica-se agora (confimado na notícia aqui): a especulação imobiliária conseguiu e as cocheiras do Monte Estoril (av. Acácias e av. Sabóia), que suponho serem do tempo da Companhia do Monte Estoril e que estão inseridas no raio de protecção da casa da autoria de Raul Lino da av. Acácias (casa classificada de Interesse Público), e que estiveram no Inventário Municipal anexo ao PDM de Cascais até que a actual vereação as retirou aquando da revisão deste, vão ser demolidas em Set/Out (presumivelmente logo após as eleições, digo eu). A limpeza do matagal já foi feita. E suponho, ainda, que os argumentos do promotor "filantropo" serão os mesmos dos seus homólogos por esse país afora: o que lá está é nojento (é), o que lá está não é classificado (não), o que lá está foi aprovado pela CM (foi), o que irão construir no seu lugar vai ser uma coisa digna (pois) e linda (pois, pois, J. Pimenta) e terá a traça do Monte antigo (tomem lá e embrulhem, parvónios), ora, que mais querem vocês seus ingratos? Que a AMME nada faça, isso é INACEITÁVEL!


Foto de João Aníbal Henriques

Friday, August 04, 2017

Thursday, July 20, 2017

Obras urgentes no viaduto ferroviário da Parede - II

Apesar da resposta da Infraestruturas de Portugal garantindo a segurança da estrutura que se situa à entrada da Parede, do lado do mar, voltei lá para registar mais umas fotos. Nalgumas imagens, os ferros são visíveis e há fendas. Não tenho conhecimentos que me permitam contrapor as afirmações dos especialistas mas a sensação de insegurança e lugubridade estão patentes e parecem óbvias.
É de salientar ainda o facto de parecer não ter havido esforço nenhum, por parte da Freguesia de Carcavelos/Parede, para lavar a cara destas paredes e dignificar este local.