Tuesday, December 09, 2008

Ciclistas mantêm críticas e "escapadelas" à proibição de bicicletas no paredão da Linha de Cascais

In Público (9/12/2008)

«Mais de um ano depois de as multas aos ciclistas do paredão do litoral de Cascais e Oeiras dividirem opiniões, mantêm-se as críticas e "escapadelas" às regras. Para alguns, a interdição protege de um perigo, para outros, inviabiliza uma opção saudável.
Foi na "ilusão de haver espaço para todos" que Tiago Santos, 33 anos, divulgou no ano passado o artigo "Um marginal na Marginal", onde contestava o então recente reforço da vigilância sobre o impedimento ou a limitação de bicicletas nos passeios marítimos da Linha. Depois de deixar de andar de carro, em 2004, o munícipe de Oeiras entendia que os atropelamentos ocorridos no paredão não eram motivo suficiente para obrigar os ciclistas a abdicar de um veículo não poluente ou a utilizar a Estrada Marginal.
"Uso-a só quando vou para Cascais, na direcção de Lisboa tento usar só o passeio. É chato para os peões, mas é a única maneira de me sentir confortável", conta à Lusa, admitindo optar frequentemente pelo passeio marítimo de Oeiras e ter já recebido duas multas. As bicicletas continuam a ser proibidas a qualquer hora no paredão de Cascais, e no caso do passeio marítimo de Oeiras, com horário limitado aos fins-de-semana (excepto para crianças).
"As autarquias fazem-me sentir marginal, sinto-me a invadir o lugar das outras pessoas, que sentem o direito de reclamar quando vêem ciclistas. No entanto, nunca vejo pessoas a refilar quando se cruzam com um carro no passeio", diz Tiago Santos. Segundo o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo, José Caetano, são vários os associados que se queixam por não conseguir circular na "suicida" Marginal e por serem multados num local onde "pode haver a partilha entre o peão e o ciclista". Já a Associação Amigos do Paredão tem estado a trabalhar com a Câmara de Cascais para arranjar uma "solução consensual", já que recebe reclamações de "ambas as partes". O presidente, João Santos, defende, no entanto, uma resolução "mais pela via dos horários", devido aos acidentes ocorridos no passado, e acredita que uma ciclovia não é aceitável por algumas áreas serem demasiado estreitas para garantir a segurança dos peões.
A opinião é partilhada pelo líder municipal, António Capucho, para quem a delimitação de uma zona de bicicletas é insustentável em zonas com esplanadas. No caso de Oeiras, a vereadora do Trânsito, Madalena Castro, acredita que a delimitação de horários foi já uma medida suficiente e considera que a total abertura do passeio marítimo voltaria a motivar atropelamentos. »

5 comments:

Anonymous said...

Então meu caro Paulo Ferrero, o blogue está morto?

Tiago Costa said...

Como praticante frequente de bicicleta à mais de 15 anos, e como praticante habitual de atletismo,sou absolutamente contra a utilização de bicicletas no paredão de Cascais. Julgo falar com total conhecimento da matéria em causa, e acho de uma total imprudência julgar-se aceitável a livre circulação de bicicletas no paredão, mesmo de noite no inverno, o perigo que constituiria aparecer-me de repente numa curva uma bicicleta a 30km/hora seria e teria concerteza consequências graves, agora imaginem no pico do Verão. Como disse desde à 15 anos que ando de bicicleta com bastante reguralidade e julgo existerem locais mais apropriados e saudáveis para a prática da modalidade (ciclovia/Serra de Sintra por exemplo).
Melhores Cumprimentos,

Anonymous said...

LOBO VILLA 30-12-08

Respondendo ao anterior "eu não sou absolutamente" contra isto ou a favor daquilo,sou HÁ (há com H Sr Tiago !) muitos anos a favor do CIVISMO que é o que falta entre nós.
Civismo que falta Á (sem H) autarquia ,em primeiro lugar e aos ciclistas depois(aos que fazem "cavalinhos" etc).Áquela porque só ouve estes em época de eleições,a estes porque não sabem falar com aquela.
É o divórcio entre os políticos e os cidadãos que tende para o voto em branco,como previu Saramago.
Claro está que com HORÁRIOS tudo se resolvia,mas isso dá "trabalho",coisa odiosa para qualquer autarquia como esta,das que partilham a lei do maior "lucro"(com os nossos impostos)e com o menor esforço.
Afinal é óbvio que os ciclistas têm razão !!!
Que mais não fosse como transporte alternativo, nesta era em que o petróleo já "ACABOU"...
Desejo BOM ANO para todos os ciclistas e muitos votos em branco para todos os maus autarcas...

Anonymous said...

Exmo. Sr. Lobo Villa, ou se preferir Exmo. Sr. Anterior,

Fico deveras satisfeito que o seu português seja bastante melhor do que o seu conhecimento sobre a gravidade que constituiria permitir-se a circulação de bicicletas fosse a que horas fosse.
Melhores cumprimentos e Bom Ano a todos, com muitos passeios de bicicletas e muitas corridas.

Tiago Costa

Anonymous said...

pois é na marginal a circulação é muito mais segura...