Friday, January 25, 2008

Cascais inaugura estátua de D. Carlos I no centenário do seu assassinato

In Público (25/1/2008)

«A autarquia de Cascais vai assinalar, no dia 1 de Fevereiro, a passagem de um século sobre a morte do rei D. Carlos I, assassinado em Lisboa, com a inauguração de uma estátua do escultor Luís Valadares.
O monumento, que será instalado à entrada do Passeio de D. Maria Pia, junto à Cidadela e num dos acessos à marina, representa o monarca em pé, à beira da amurada do iate Amélia, a olhar a baía. Segundo uma nota da autarquia, a figura do rei, trajado com uniforme da Marinha, foi fundida em bronze e assenta numa base em pedra "azulino de Cascais", bujardada "de modo a simbolizar o mar". A borda da embarcação é em aço, ferro, latão e madeira. D. Carlos de Bragança, que desenvolveu intensa actividade artística e desportiva, promoveu uma dúzia de campanhas oceanográficas entre 1896 e 1907 e montou no Palácio da Cidadela o primeiro laboratório de biologia marítima do país. Aliás, como nota a câmara, viria a ser a instalação no recinto fortificado da residência oficial de veraneio da família real que "catalisa o desenvolvimento da pequena vila piscatória, projectando-a como destino turístico da moda". Na inauguração da estátua, a partir das 15h00, será lançada uma brochura alusiva aos principais momentos da vida do rei no concelho. L.F.S.»

4 comments:

Fernando Boaventura said...

Um Homem do Mar virado para o mar. Estou de acordo com a homenagem. Mas para onde foi o monumento aluzivo á travessia do atlantico, o tal da águia? Onde vai ser colocado? Ou pura e simplesmente desaperece?

Potuguês de gema said...

Finalmente uma homenagem mais do que merecida, a quem foi brutal e barbaramente assinado. Serviu a pátria como poucos o têm feito. Teve uma visão larga e de grande estadista, como poucos voltariam a ter, ao longo destes quase 100 anos de república.
Ao grande Rei D.Carlos, uma homenagem profunda e sentida, de um cascaense; sem esquecer essa grande portuguesa, que foi a Raínha D.Amélia. Sempre atenta a quem sofria ou nada tinha. Uma mulher com grande carácter , que até fechar os olhos, nunca esqueceu os portugueses e Portugal.
Saibamos homenagear e de alguma forma reparar, os massacres de 1 de Fevereiro de 1908,
participando nem que seja em pensamento, no drama que tanto sofrimento causou a essas grandes figuras da nossa História, amanhã pelas 17h00. Hora em que as balas de tresloucados abateram dois portugueses que tanto serviram a pátria.
O que seria se, hoje em dia, atentassem contra o chefe do estado? Ou nos impusessem uma monarquia à força?
Nada como um referendo para reparar o que as balas nos impuseram sem podermos dar a nossa opinião.
A "República" Portuguesa, nasceu do sangue.
Referendemos ou o Reino de Portugal ou a República de Portugal.
Viva a Democracia! VIva Portugal!

Miguel Brito said...

Com esta estátua confirma-se a prática das "modas da memória" em Cascais: quando uma evocação "passa de moda", troca-se por outra. Sai a evocação da viagem de gago Coutinho e Sacadura Cabral, entra o D. Carlos. Tal como também desapareceu a rotunda Ayrton de Senna para passar a ser a rotunda dos rei de Espanha. E há mais casos...

Lobo Villa said...

Sem dúvida uma merecida homenagem que vem desagravar a memória do bárbaro Regicídio e contrapôr-se á carbonária telenovela da RTP "O dia do Regicídio"(que estreia hoje na RTP2)que retrata o Rei como se fosse um tonto e faz do assassino Buíça um herói!O "escrito" deve ser inspirado pelo "Prof" Rosas,do Berloque,ilustre Estoriador que confunde a História com propaganda ao regime monárquico.