Wednesday, May 09, 2007

Cascais DESAPARECENDO... e (a)PARECENDO




Enquanto uns edifícios (por acaso de um tipo e época relevantes, em termos das memórias do sítio) vão paulatinamente sendo demolidos ou abandonados à degradação lenta, alegremente, lado-a-lado, vão-se susbstituindo por outros, que... neste caso, são uma completa e chapada IMBECILIDADE.
...à frente deste PÉSSIMO "exemplar" do que (não) se pode fazer, ostenta-se - reluzente - a obra municipal acabadinha (e que se aplaude), do estacionamento e arranjos exteriores da praia da poça. Resultado?: cenários patéticos e surrealistas na Marginal.

5 comments:

Paulo Ferrero said...

A casa de cima é fantástica. Está sobre o paredão, e deve ser já propriedade de algum pato bravo que está à espera de oportunidade. «Bolas», pensará ele, «se já deram luz verde a coisas como as aberrações a seguir ao Tamariz; em S.João, àquele aparthotel que susbtituiu a maravilhosa moradia do Consulado da Argentina; ao «novo» Chalet; à vivenda da empresa testa-de-ferro do Albarran, então, por que carga de água não hei-de eu construir aqui um belo de um resort?». temo que essa vivenda, ou o que resta dela, tenha os dias contados... Brevemente, sobre o Paredão, teremos uma montra (eu diria, uma «sobre loja») do mau gosto. Um passo rumo ao «pugresso», suponho;-(

Pedro Partidário said...

... e tudo devidamente subscrito por arquitectos e engenheiros "competentes" e sancionado política e burocraticamente, por "muito boa gente": uma "maravilha" à medida da nossa "cultura actual".

Paulo Ferrero said...

o mal é geral. Outro dia, assisti a uma conferência/reunião/seminário sobre o Parque Mayer. A ignorância é um facto, mesmo junto de quem nunca pensaríamos que tal fosse possível;-)

António said...

O interior do concelho está um pouco esquecido.
É o caso da Quinta dos Gafanhotos.

Tem terrenos para ajardinar e arborizara há 7 anos.

nada...

Ali moram largas dezenas de crianças, nem parque de jogos nem parque infantil, nem terreno relvado.

Jogam à bola na via pública, por entre os transito automóvel.

Estou certo de que o Sr. Presidente da Câmara não tem conhecimento disto.

Embora já tenha enviado três emails, no entanto devem ficar pelos assessores.

Estou em vias de colocar a minha casa à venda e voltar a morar em Oeiras, antes que os meus dois filhos cresçam e deixem de precisar de parque infantil.

Pedro Partidário said...

Pois é António!... eu vejo no "ar" decadente do eixo turístico da Marginal um sintoma claro do abandono, desleixo e desconsideração (ou/e pequenos e miseráveis oportunismos e conveniências) no resto do Concelho.
Já temos comentado aqui, que fora da Marginal foram feitas (ou deixadas de fazer) coisas inclassificáveis... Se nos sítios simbolicamente "mais importantes" as coisas estão como estão, é claro que no interior é o que o António relata. É pena.