Thursday, September 24, 2009

Terrenos da antiga Standard Eléctrica, que futuro?


Chegado por e-mail:

«A ALCATEL , importante empresa que ocupa um vasto terreno arborizado, junto à Aldeia de Juzo (no fim da A5) vai mudar as suas instalações para um pequeno lote no outro lado da estrada, deixando este vasto terreno. [...] Será possível saber-se o que se irá passar neste terreno, que está no PNSC?»

9 comments:

Anonymous said...

Posso informar que na mancha cinzenta(movimentos de terra) junto á A5 está em construção um grande loteamento de Pimenta & Rendeiro(placa desaparecida) já dentro dos terrenos da Alcatel.

Anonymous said...

Sei que a Logoplaste, situada em frente da Alcatel, está interessada em pelo menos parte desse terreno, imagino que para ampliação das instalações. Actualmente, os seus empregados até já estacionam lá as respectivas viaturas.

Anonymous said...

Não faz sentido : a nova Alcatel em mega-construção,no lote ao lado da Logoplaste,já cedeu quási metade do terreno á Pimenta & Rendeiro ; a menos que a Logoplaste já tenha desistido de produzir e tb já tenha entrado na especulação fundiária,na outra metade desses terrenos da Alcatel...

António Muñoz Arq said...

Esta notícia é surpreendente por várias razões:
1-Como é possível que uma autarquia licencie um loteamento colado a uma Auto-Estrada,sem a faixa de protecção legal?
2-Será que estas faixas foram substituídas por aqueles tapumes que brotam em todo o lado e que nos entaipam as paisagens ?(das casas e dos condutores ?)
3-Aquela inconcebível auto-estrada A5 vai mesmo continuar até ao Guincho e cortar o Parque Natural ?
( Se for será um crime contra a Paisagem e contra o Ambiente);
Porque não vem nada disto no Programa do PSD/ Dr Capucho ?

Anonymous said...

LOBO VILLA,24-9-09
A mim nada disto me surpreende,na medida em que já conheço a "transparência" da linguagem tecnocrática da CMC e do seu "programa" :
Aí se diz(Planeamento Estratégico) a "melhoria das acessibilidades... Carcavelos-Sul...Areia..." que significa "urbanizar" a Quinta dos Ingleses,destruindo-a, e prolongar a A5 até ao Guincho ,desventrando o Parque Natural.
É preciso descodificar esta linguagem camarária em que "qualificacão" e "acessibilidade" significam,invariávelmente destruír/urbanizar/betonar.
É simples! Basta aprender a ler esta linguagem .

Anonymous said...

Acho graça que esta gente toda ou quase toda que escreve neste e noutros blogues, não se tenham juntado e constituído uma associação cívica para concorrer à Câmara de Cascais.
Pois é, dá uma grande trabalheira, e depois dessa trabalheira toda, teriam os votos deles e de mais meia dúzia de amigos.
Mas escrever aqui, isso, não dá trabalho nenhum.
Mais, nem à Assembleia Municipal vão expor os seu problemas...

Anonymous said...

Eu já fiz parte dessas associações e acabei com a policia municipal a visitar a minha loja, todos os dias, até fui insultado pelo Sr. capucho.
Tb fui diversas vezes à AM, falei e de resposta fui mal educadamente contradito, insultado de mentiroso sem poder para responder. O meu amigo que era asessor do capucho foi despedido no dia seguinte.
Isto é só parte da historia.
Já lhe chega sr anonimo???

Anonymous said...

Não ! A mim não me chega ! Denúncias destas são apenas o princípio, e é para isso que servem estes blogs!
O Sr Capucho é um arrogante-malcriado como Sócrates;
julga-se superior aos municipes que o elegem e que lhe pagam o ordenado.
Voto Leonor Coutinho(que desconheço!) mas que tem um sorriso esducado e que pelo menos não será "mais do mesmo" !...
Vá sorria também...

Anonymous said...

Estas história anda muita mal contada.

A Alcatel vai para o Campus Logoplaste, para o novo edifício aí construído. Ver noticia de imobiliário data Fev - 2009

De acordo com os resultados da CB Richard Ellis, no ano passado a consultora colocou 35 mil m2 de escritórios, o que representa um aumento de 16%. Destaca-se, neste âmbito, o arrendamento de 4,5 mil m2, no edifício Adamastor (Parque das Nações) a uma entidade bancária; em Cascais, no Campus Logoplaste, em representação da Lusofinança, a colocação de 6 mil m2 de escritórios à Alcatel-Lucent.