Wednesday, October 17, 2007

Vila Montrose, porquê esta precipitação?



Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais

Dr. António Capucho

Porquê esta corrida contra-relógio?

Depois do meu mail do passado dia 9, as coisas precipitaram-se na Villa Montrose.

O alvará de licenciamento datado de Janeiro de 2007 foi colocado logo a seguir e as máquinas derrubaram já o muro de pedra tradicional do Monte Estoril e entraram em força na propriedade, começando imediatamente a derrubar árvores, entre as quais palmeiras centenárias e saudáveis (ver foto)

Porquê esta precipitação?

Pode-se ler no Público do dia 16 de Outubro que “o departamento de cultura da Câmara de Cascais admitiu que o chalet Montrose, juntamente com o seu jardim romântico oitocentista, devia ser classificado e protegido…”

Pode-se ler também que “o conjunto, que não está classificado, faz parte do inventário do património histórico-cultural, a integrar no Plano Director Municipal, como “imóvel que se pretende classificar”. Além disso, não está em zona histórica, mas na revisão do PDM prevê-se um núcleo histórico do Monte Estoril, “que abrange naturalmente este local””.

Será com medo de esta eventualidade que haja tal precipitação?

Tudo indica que o Senhor Dr. Carlos Carreiras quer que o parque esteja destruído e os alicerces das casas já construídos antes de nos conceder uma reunião. Reunião essa que apenas desejamos (Associação dos moradores e amigos do Estoril e GEC) com o intuito de poder ter um diálogo civilizado e objectivo, com as autoridades competentes.

Porquê está atitude?

Reiteramos, Senhor Presidente, o nosso pedido de reunião consigo, uma vez que foi em Si que votámos e confiámos, e não no Senhor Carlos Carreiras.


Com os meus melhores cumprimentos

Maria Teresa Kaufmann Sampaio
Membro da Direcção do GEC

Cascais, 17 de Outubro de 2007

1 comment:

Pedro Partidário said...

Perpetua-se e propaga-se a "escola" dos autarcas e governantes que desassombradamente (e de forma insultuosa para com a inteligência de quem ouve) produz especialistas em fabricar argumentos, que se situam apenas entre a propaganda e a ignorância atrevida, para justificar o injustificável.

Quando é que se começa a ter vergonha de dizer que a manutenção e protecção destes sítios "fica muito cara" e não é "rentável"?. Não espanta a posição do país na tabela da civilização... só não vê quem não quer. E dá muito jeito não querer ver.

Por este caminho, ainda verei ser acolhido com entusiasmo, o salvífico Poder financeiro de Berardo, que chegará para arrasar tudo e construir aqui na terra, hectares de jardins, que servirão para acolher megalómanas esculturas de... pagodes e divindades chinesas.
... para alargar o seu Império de "Ideias para Portugal", já acolhido por muita "inteligência" e pelas "sábias" autarquias do Oeste. Ao ritmo a que Cascais parece seguir outros exemplos...